Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ciência
Cientistas da Fiocruz testam remédio para HIV contra o coronavírus
Pesquisadores tiveram sucesso nos resultados com a atazanavir, droga que mostrou ser menos tóxica que a cloroquina
GZH
por  GZH
07/04/2020 09:46 – atualizado há 36 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Um remédio que desde 2003 é usado para tratar pacientes com Aids demonstrou sucesso no tratamento contra o coronavírus. Os testes foram feitos por um grupo de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Chamada atazanavir, essa droga, aplicada em culturas de células, mostrou reduzir em até cem vezes a velocidade da replicação do vírus Sars-CoV-2, causador da covid-19.

De acordo com o jornal O Globo, a atazanavir é potencialmente menos tóxica do que a cloroquina, também utilizada para diminuir a proliferação do vírus. O sucesso nos testes iniciais sugere que a droga merece ser testada em estudos maiores.

Outro resultado alcançado pelos cientistas da Fiocruz demonstra que a atazanavir pode diminuir a inflamação generalizada associada aos casos mais graves de covid-19. No entanto, os pesquisadores ainda não podem afirmar se o efeito contra a inflamação se deve à redução da quantidade de carga viral ou se a droga realmente tem potencial anti-inflamatório.

Líder do estudo da Fiocruz, Thiago Moreno Souza, do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS), disse que a equipe já está fazendo testes com camundongos.

- Com nosso estudo queremos chamar a atenção da comunidade científica de que há uma droga interessante para ser testada - disse Souza.

O resultados dos testes com a atazanavir foi publicado em uma revista científica, mas ainda não passou por revisão por pares, como tem ocorrido com a maioria dos estudos relacionados à covid-19, que demanda urgência da comunidade científica. Nesses testes, a droga apresentou tanto sucesso quanto a cloroquina, mas tem a vantagem de ser menos tóxica para o organismo.

Se o remédio for comprovado, ele será usado em casos de pacientes que desenvolveram pneumonia por conta do coronavírus, sem estar na fase mais grave da doença, quando há inflamação generalizada. A atazanavir deve impedir que essa fase se inicie.

- Não se trata de uma opção de profilaxia, mas de uma potencial possibilidade de tratamento - explicou Souza.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...