Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ciência
Testes para pesquisa inédita sobre coronavírus chegam ao RS
Van da universidade recolheu o material nesta sexta-feira em Porto Alegre para levá-lo para Pelotas.
GZH
por  GZH
03/04/2020 18:35 – atualizado há 11 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Os testes de coronavírus doados pelo Ministério da Saúde para serem usados em pesquisa inédita no Rio Grande do Sul chegaram ao Estado nesta sexta-feira (3). De um lote de 48,9 mil, 20 mil exames são destinados ao trabalho coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) que mostrará a prevalência da covid-19 na população gaúcha. Feito por iniciativa do governo do Estado, o estudo será ampliado para o país a pedido do ministério.

Uma van da UFPel esteve no Centro Estadual de Vigilância em Saúde, na Capital, para carregar o material. O restante do lote será usado para exames em profissionais da área da saúde e da segurança, a partir de protocolo que está sendo elaborado pela Secretaria Estadual da Saúde.

Esse tipo de teste verifica a presença de anticorpos, que são defesas produzidas pelo organismo humano contra o vírus. O resultado sai em 20 minutos.

Para o desenvolvimento da pesquisa, que examinará 18 mil pessoas em quatro etapas ao longo de 45 dias, depois da validação dos testes, ocorrerá treinamento dos profissionais que farão a aplicação. Após a primeira coleta de exames, em 4,5 mil pessoas, em 48 horas o governo já poderá ter um relatório dos primeiros resultados.

Estudo permitirá calcular letalidade

Divulgação SES

A pesquisa, inédita no mundo, revelará qual o percentual de infectados no Estado, quão rápido a infecção está se alastrando, por meio da comparação ao longo do tempo, e qual a porção de infectados que não desenvolvem sintomas. A partir dessas informações, permitirá que seja calculada a letalidade real da doença, ou seja, saber, do total de pessoas que pega o vírus, quantas morrerão.

Também será possível analisar qual o percentual dos infectados que vai precisar de atenção hospitalar importante, com internação em UTI e uso de respiradores, além de embasar discussões e decisões sobre o isolamento social e os graus a serem aplicados.

O trabalho custará R$ 1 milhão e foi pago por três empresas: a Unimed Porto Alegre, o Instituto Floresta e o Instituto Serrapilheira, do Rio.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...