Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Hospital de Florianópolis troca corpos e assessor parlamentar é enterrado por engano
Caso aconteceu nesta quarta-feira (1º) após erro de identificação no Cepon
Assessoria Gov/SC
por  Assessoria Gov/SC
02/04/2020 18:14 – atualizado há 11 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Os corpos de dois homens que morreram no Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon), hospital especializado em tratamento de câncer em Florianópolis, foram trocados e um deles acabou sendo enterrado no lugar do outro. O caso aconteceu nesta quarta-feira (1º).

Carlos Henrique Teixeira Barbosa, de 60 anos, morreu nesta quarta-feira(Foto: Arquivo Pessoal)

A família do homem sepultado por engano recebeu nesta quinta (2) autorização do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) para exumar o corpo e realizar a cerimônia de despedida.

O homem sepultado por engano era Carlos Henrique Teixeira Barbosa, 60 anos. Ele trabalhava como assessor parlamentar do deputado estadual Padre Pedro Baldissera (PT).

Carlos morreu na quarta, vítima de câncer, e foi sepultado no mesmo dia no Cemitério São Francisco de Assis, em Florianópolis, como se fosse outro homem, que havia falecido no dia anterior.

Segundo o despacho do TJ-SC que autorizou a exumação, houve um equívoco no Cepon na hora de identificação dos dois corpos.

Além disso, conforme o despacho do TJ-SC, a troca não teria sido percebida depois porque o procedimento de liberação do corpo para o primeiro sepultamento, do homem que morreu na terça-feira (31), não teria sido acompanhado por familiares. O caixão teria sido mantido fechado durante todo o procedimento.

Ainda de acordo com o despacho do TJ-SC, apenas quando familiares do assessor parlamentar foram até o Cepon para a liberação do corpo dele é que o erro teria sido constatado.

Família entrará na Justiça por dano moral

A família de Carlos entrará na Justiça com pedido de dano moral, segundo o advogado Murilo Silva, que trabalhava com o assessor parlamentar.

— A família ficou extremamente chateada pelo duplo sofrimento, e ingressará com ação de dano moral contra o Estado. Apesar de reconhecerem o tratamento exemplar obtido no Cepon, foi uma situação de negligência total — disse Murilo.

O deputado Padre Pedro também se manifestou, afirmando estar “extremamente chocado com o ocorrido”.

O corpo de Carlos Henrique Teixeira Barbosa foi exumado na manhã desta quinta e velado na Capela São Pedro, no Cemitério do Itacorubi. O enterro estava marcado para as 14h.

Cepon reconhece erro e lamenta ocorrido

Em nota divulgada pela assessoria de imprensa, o Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon) reconheceu que houve um erro e lamentou o ocorrido.

“O Cepon lamenta profundamente o erro cometido e esclarece que, no momento em que foi identificado, tomou todas as providências para repará-lo. Todo o apoio foi prestado à família, assim como as providências legais foram tomadas para que o equívoco fosse reparado. O Cepon está tomando todas as providências para que o fato não se repita”, informou a nota.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...