Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
UFFS celebra mil acadêmicos formados no Campus Erechim
Trajetória da milésima formanda, Gabriela Belló Artuso, reflete o impacto da Universidade no Alto Uruguai gaúcho.
Wagner Lenhardt/Ascom/UFFS- Campus Erechim
por  Wagner Lenhardt/Ascom/UFFS- Campus Erechim
13/03/2020 13:23 – atualizado há 7 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A colação de grau do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim, realizada no dia 29 de fevereiro, foi interrompida no momento de diplomação da formanda Gabriela Belló Artuso. O susto foi proposital: naquele momento, com a diplomação de Gabriela, a UFFS – Campus Erechim chegou ao número de mil acadêmicos formados, considerando os cursos de Graduação e Pós-Graduação.

Gabriela e o diretor Luís Fernando Santos Corrêa da Silva, durante a homenagem na formatura: marco na história da Instituição (Créditos: Kellin Biazi Fotografia)

Assim, Gabriela, que recebeu um reconhecimento das mãos da Direção do Campus, é mais uma importante personagem da recente história da UFFS, que completou 10 anos em setembro de 2019. A Instituição é parte do processo de interiorização do Ensino Público Superior. Criada pela Lei Nº 12.029, de 15 de setembro de 2009, a UFFS abrange mais de 400 municípios da Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul – Sudoeste do Paraná, Oeste de Santa Catarina e Noroeste do Rio Grande do Sul.

A UFFS, desde o seu primeiro processo seletivo, favorece o ingresso dos alunos oriundos da escola pública, como é o caso de Gabriela, natural de Pato Branco, no Paraná.

A UFFS é uma universidade inclusiva. Lembro ainda de que, quando me inscrevi por meio da cota de escola pública, notei que a UFFS possuía uma das maiores porcentagens que eu já havia visto sobre este fator. Isso, depois que ingressei, me permitiu conhecer diversas realidades e culturas, entender diferentes perspectivas e que o espaço de ensino não apenas é enriquecido com essa soma, mas também o torna mais igualitário – diz a agora arquiteta e urbanista.

Tudo isso levando em conta que a Educação Superior ainda é algo distante para muitos, retrato de um sistema de desigualdade posto há muitos anos na nossa história. Isso me fez aprender muito mais que uma profissão e acredito que seja esse o maior legado que a UFFS deixou em mim. Tenho orgulho da nossa Instituição e daqueles que lutam por ela, e sou grata por ter me graduado na UFFS. Parafraseando o ensinamento de um professor muito querido, “temos que sempre nos voltar para o motivo do nosso trabalho: as pessoas, porque o espaço construído sem pessoas, não passa de algo abstrato e sem sentido”.

Gabriela conta que tomou conhecimento da UFFS por meio de uma amiga da mesma cidade em que cresceu, que já cursava Arquitetura e Urbanismo desde 2012. Com a mudança para outra cidade e outro Estado, encontrou na Universidade o apoio de que precisava tanto na vida acadêmica quanto para o seu crescimento pessoal.

A UFFS, como uma Universidade nova e um corpo docente também jovem, possui um perfil muito receptivo. Os professores, bem como o curso, são muito abertos para escutar, além de ensinar - postura essencial para uma universidade democrática. Essa troca de experiências se dá não apenas na relação aluno-professor e aluno-aluno, mas também universidade-comunidade, o que reflete em como a UFFS não é delimitada por fronteiras.

Em todo seu tempo no campus universitário, a formanda “número mil” acompanhou o crescimento e a consolidação da UFFS como uma Instituição de Ensino Superior de excelência.

Ver a UFFS sendo literalmente construída nos faz querer ver ainda mais o seu êxito, pois sabemos como a educação é direito e ferramenta fundamental. Posso afirmar que a qualidade do curso e dos professores é proporcional aos esforços e exigências que passamos durante a Graduação. Isso é quantificado na nota atribuída pelo MEC mas também no nosso diferencial como profissionais – diz Gabriela.

Agora formada, a jovem atua ao lado do pai, que é engenheiro civil, e faz parte de um escritório-ateliê de representação gráfica.

- Tenho muitos planos para o futuro. Estou aberta a diferentes oportunidades que venham aparecer, pois a arquitetura dispõe de uma gama diversa de possibilidades. Não acredito que uma coisa deva anular outra, é possível também continuar estudando enquanto se trabalha. Por isso não descarto a ideia de pesquisar, fazer publicações, uma Pós-Graduação, concursos e aprender novos softwares – finaliza.

Atualmente a UFFS – Campus Erechim possui os seguintes cursos de Graduação: Agronomia, Arquitetura e Urbanismo, Ciências Sociais, Engenharia Ambiental e Sanitária, Filosofia, Geografia, História, Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza e Pedagogia.

Na Pós-Graduação são três mestrados: Ciência e Tecnologia Ambiental; Interdisciplinar em Ciências Humanas; Profissional em Educação; e Geografia (este último em parceria com o Campus Chapecó). Já as especializações em andamento são duas: em Gestão Escolar e em Processos e Produtos Criativos e suas Interfaces.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE