Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Papa fará oração dominical por vídeo por conta do coronavírus
Durante a reza do último domingo, o Francisco, de 83 anos, teve que parar duas vezes devido a acessos de tosse. Desde então, ele cancelou diversas agendas.
O Globo
por  O Globo
07/03/2020 22:57 – atualizado há 13 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Um dia depois que o Vaticano confirmou o primeiro caso do novo coronavírus e anunciou a suspensão do atendimento a pacientes externos em seu pequeno centro médico, o Papa anunciou que fará a oração dominical do Angelus por vídeo para "evitar riscos de transmissão". Durante a reza do último domingo, o Francisco, de 83 anos, teve que parar duas vezes devido a acessos de tosse. Desde então, ele cancelou diversas agendas.

O Papa Francisto tossiu durante o Ângelus, no dia 1º de março, causando preocupação entre católicos Foto: VATICAN / via REUTERS

De acordo com o último balanço divulgado neste sábado pelo chefe da Defesa Civil da Itália o número de mortos no país chega a 233.

O Pontífice, no entanto, foi testado negativo para Covid-19. Em uma pequena nota, o porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, afirmou que "o resfriado diagnosticado do Santo Papa nos últimos dias continua, sem sintomas relacionados a outras patologias".

"A oração será retransmitida por vídeo será transmitida ao vivo em telões na Praça de São Pedro para permitir a participação dos fiéis", afirmou o Vaticano, em novo comunicado neste sábado.

O Vaticano se blindou para evitar a propagação do vírus. Dentro do pequeno Estado, onde também vive o Papa emérito Bento XVI, de 92 anos, os controles foram reforçados. Os funcionários que trabalham em contato com os turistas deverão usar máscaras e luvas, de acordo com o jornal italiano Il Messaggero. Os guardas suíços e a gendarmaria do Vaticano, que monitoram as entradas a pé ou de carro, também reforçaram os controles nos cinco acessos à Santa Sé.

A Itália, maior epicentro da doença na Europa, com mais de 5.800 casos, decidiu na quarta-feira fechar todas as escolas e universidades até a metade deste mês para enfrentar a epidemia.

Neste sábado, o secretário do Partido Democrático (PD) e governador da região do Lazio, Nicola Zingaretti, anunciou que testou positivo para a doença.

"Os médicos me disseram que sou positivo na Covid-19. Estou bem, mas terei que ficar em casa pelos próximos dias. A partir daqui, continuarei acompanhando o trabalho que há para fazer. Coragem a todos e até breve", disse Zingaretti em um vídeo publicado nas redes sociais.

O líder do PD ainda explicou que ficará em isolamento na sua casa e afirmou que irá "lutar" contra a doença.

O governo italiano vai reforçar com 20 mil pessoas seus hospitais, entre médicos e enfermeiros, para fazer frente à epidemia do coronavírus que atinge a península. A medida, adotada durante o conselho de ministros que terminou na noite de sexta-feira, permitirá aumentar entre 5 mil e 7.500 o número de leitos e duplicar as vagas nos serviços de pneumologia e doenças infecciosas.

Os 20 mil reforços são distribuídos entre 5 mil médicos especializados, 10 mil enfermeiros e 5 mil auxiliares.

Os reflexos do coronavírus na Itália afetam também as próprias instituições do país. O ministro do Desenvolvimento Econômico, Stefano Patuanelli, entrou em quarentena depois que um vereador da Lombardia, com quem se reuniu recentemente, foi diagnosticado com Covid-19. Já o presidente Sergio Matarella cancelou uma viagem que faria à Moçambique na próxima semana, ainda de acordo com o La Repubblica.

O número de pessoas infectadas com o novo coronavírus no mundo ultrapassou a marca de 101 mil segundo a OMS. No mundo, a China lidera com 81.667 casos registrados, seguida da Coreia do Sul, com mais de 6.700 contágios. O Irã, no Oriente Médio, também viu o número de infecções explodir nas últimas semanas. Até o momento, segundo estatísticas sociais, são 4.747 casos.

Desde sexta-feira, China continental, a Coreia do Sul, os Estados Unidos e o Reino Unido registraram novos casos fatais. Colômbia e Costa Rica anunciaram pela primeira vez casos em seus territórios.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE