Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Governo envia novo projeto de lei para permitir pagamento do IPVA em blitze
Quitação do imposto evitaria o recolhimento do carro. Proposta anterior foi aprovada na Assembleia, mas vetada por ser considerada inconstitucional
GZH
por  GZH
05/03/2020 00:15 – atualizado há 17 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O governador Eduardo Leite encaminhou à Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (4), um novo projeto para permitir que o motorista possa quitar eventuais pendências do veículo referentes à documentação, como o IPVA, na hora da fiscalização de trânsito. Os deputados aprovaram, no ano passado, texto semelhante. No entanto, a proposta foi vetada pelo Palácio Piratini, que alegou inconstitucionalidade, já que estaria "invadindo assim, competência legislativa privativa da União".

O projeto anterior, de autoria do deputado Sebastião Melo (MDB), também recebeu votos favoráveis de todos os parlamentares que participaram da sessão. O veto do governador, apreciado na terça-feira (3), foi mantido por 35 votos a nove, depois que o Executivo se comprometeu a enviar um novo texto.

A proposta, protocolado em regime de urgência, deverá ser votada na primeira quinzena de abril, quando passará a trancar a pauta. A tendência é de aprovação unânime.

O texto propõe a criação do programa Veículo Legal. Para evitar o recolhimento do carro, o motorista com pendências poderia pagar, no momento da abordagem, as taxas vencidas, como IPVA, taxa de licenciamento, seguro DPVAT e multas de trânsito.

No entanto, o projeto limita o alcance da medida a “operações programadas de fiscalização de trânsito realizadas no Estado”. Assim, as novas regras valeriam para grandes operações, como Balada Segura, que contaria com estrutura envolvendo a Secretaria Estadual da Fazenda.

Mesmo que os pagamentos possam ser feitos no momento da abordagem, o condutor ou o proprietário do veículo arcariam com as sanções de circularem sem documentação, como o registro de pontos na carteira e o pagamento de multa.

Se aprovadas, as regras não serão válidas para carros envolvidos em “ilícitos penais e os com pendências judiciais”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE