Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Zerar ICMS dos combustíveis pode atrasar salários em mais de quatro meses, adverte Piratini
A nota do Piratini salienta que zerar o ICMS pode praticamente dobrar o déficit das contas públicas, previsto em R$ 5,2 bilhões para o fim de 2020.
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
07/02/2020 08:59 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma nota divulgada hoje pelo Palácio Piratini adverte para o agravamento da crise e a possibilidade de atraso, em mais de quatro meses, da folha do funcionalismo estadual caso seja zerada a incidência de ICMS sobre os combustíveis, como defende o presidente Jair Bolsonaro. O comunicado enfatiza que o tributo é fundamental para as finanças gaúchas e defende a construção de uma reforma tributária sustentável, “sem gerar colapso na prestação de serviços e na vida dos servidores”.

O ICMS incide, hoje, com alíquotas de 30% sobre o custo do litro da gasolina e do álcool hidratado, e de 12% sobre o custo do diesel. Bolsonaro reclama que as reduções de preço aplicadas às distribuidoras da Petrobras não vêm chegando à bomba. Depois de cobrar alterações na periodicidade do cálculo do valor de referência do ICMS, que é feito de 15 em 15 dias, o presidente desafiou ontem os governadores a zerarem os impostos estaduais, em troca de a União eliminar também os tributos federais que incidem sobre a produção. PIS, Cofins e Cide correspondem a 15% do valor final cobrado do consumidor.

A nota do Piratini salienta que zerar o ICMS pode praticamente dobrar o déficit das contas públicas, previsto em R$ 5,2 bilhões para o fim de 2020. O governo adverte que R$ 10 bilhões equivalem, na prática, “a oito folhas do funcionalismo público”. Além disso, cita o risco de redução de investimentos, repasses a hospitais e aos municípios, já que as prefeituras absorvem 25% da receita gerada com o tributo.

Ontem, ao palestrar em Caxias do Sul, o governador disse que “não é lógico, sensato, nem razoável” zerar o ICMS dos estados, como quer o presidente, e criticou a forma como esse debate vem sendo feito. “A forma como o debate está sendo travado, pela imprensa e em declarações em redes sociais, não é um formato para quem quer resolver o assunto”, reagiu. “Se queremos resolver o assunto do imposto sobre combustíveis, sentemos, conversemos para efetivamente resolver”, completou, em reunião-almoço na Câmara de Indústria e Comércio (CIC) da cidade serrana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE