Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Bolsonaro corrige lambança do PT e brasileiros vão economizar R$ 20 bi com placas em dez anos
Impossibilitado de cancelar a nova placa, governo criou alternativas para poupar o bolso dos brasileiros. Saiba quando adotar o novo modelo.
Jessé Queiroz
por  Jessé Queiroz
30/01/2020 14:48 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A partir desta sexta-feira (31), começa a valer para os DETRANs estaduais o novo modelo de Placas de Identificação Veicular. O prazo havia sido definido pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em julho do ano passado. 

Conhecida como placa Mercosul, a "tomada de três pinos" dos veículos deveria ter entrado em operação em janeiro de 2016. Cheia de lambanças e armadilhas, a medida foi adiada seis vezes e deu tempo para o novo governo articular ajustes e preparar um novo modelo. 

A economia gerada para os brasileiros será de aproximadamente R$ 20 bilhões em dez anos.

"Placa do PT"

Idealizada em 2010 durante o governo Lula e criada em 2014 no governo Dilma, a placa Mercosul foi mais uma despesa abusiva criada para torrar o dinheiro do trabalhador pagador de impostos.

Propositalmente cheia de exigências confusas e desnecessárias, a armadilha burocrática era vista como uma mina de ouro por  estampadores, fabricantes e sindicatos.

Nova Placa

Apesar das limitações jurídicas que impediram grandes mudanças – como o próprio cancelamento das novas placas – o governo Bolsonaro, através do ministério da Infraestrutura, articulou alterações na Resolução para aliviar o bolso dos brasileiros.

Batizada de Nova Placa, a nova versão corrige os erros e abusos da modelo Mercosul. A estimativa é de que os brasileiros deixem de gastar R$ 2 bilhões com emplacamentos – economia de R$ 20 bilhões em dez anos.

"Nós eliminamos todos aqueles elementos da placa que a encareciam. Tiramos o chip, tiramos as ondas senoidais,  tiramos elementos gráficos patenteados e, principalmente, abrimos para vários estampadores", afirmou o ministro Tarcísio Freitas, da Infraestrutura.

    Tarcísio também ressaltou que ninguém é obrigado a abandonar as placas cinzas, e quem deve se preocupar com prazos é o DETRAN:

    "[O cidadão] não precisa se preocupar com o dia 31. Quem tem que tomar providências é o DETRAN para começar a operar dentro no novo sistema e com a Nova Placa", ressaltou.

    Em sua conta no Twitter, o ministro também comemorou a economia proporcionada pelas mudanças: 

    "Vamos gerar uma economia de R$ 2 bilhões, que eram gastos pelo cidadão para essa alteração".

    Mudanças realizadas na Resolução

    • Retirada da exigência de chips;
    • Retirada de ondas senoidais;
    • Retirada de elementos gráficos patenteados;
    • Retirada da exigência de dispositivos refletivos;
    • Abertura do mercado de placas via credenciamento;
    • Para quem já tem a Placa Mercosul ou Nova Placa, deixa de ser necessário fazer outra troca em transferências de municípios.

    Quando adotar a Nova Placa

    • No primeiro emplacamento do veículo;
    • Em caso de furto;
    • Em caso de dano que dificulte a leitura da peça;
    • Se tiver o modelo antigo (cinza) e for transferir o veículo para outro município

    O custo da Nova Placa

    Após sindicatos e associações serem denunciados por formação de cartel, imposição de tabelas, fixação de preços e divisão de mercados no fornecimento de placas, foram realizadas alterações na Resolução 729 do Contran para permitir abertura de mercado e promover a livre concorrência de preços. 

    Como qualquer empresa pode credenciar-se para fornecer as placas, o custo em cada cidade será definido pelo próprio mercado local. O ministério da Infraestrutura estima que o valor vai iniciar na mesma faixa de preço das placas cinzas e diminuir nos meses seguintes.

    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE
    PUBLICIDADE