Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
"Nunca dependi dessa pensão", diz feminista que recebe benefício temporário há 46 anos
Helena Hirata, que tem 73 anos e vive há quase meio século em Paris, admite que aceita receber R$ 218,4 mil por ano com pensão temporária.
Redação
por  Redação
20/01/2020 08:36 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Entre as mulheres que recebem pensão "temporária" do Congresso por serem filhas solteiras de ex-parlamentares e de ex-servidores, está uma militante feminista e filosofa que vive há quase meio século em Paris. Helena Hirata é pesquisadora e estuda, entre outras coisas, discrepâncias salariais na remuneração entre homens e mulheres e alega nunca ter dependido da pensão mas, mesmo assim, aceita receber o benefício há 46 anos.

No clássico Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany’s), Holly reluta em entregar-se a um amor que contraria seu sonho de tornar-se rica. (Reprodução)

De acordo com informações do Estadão, Helena tem 73 anos e admitiu receber a benesse de R$ 16,8 mil mensais – R$ 218,4 mil por ano – pagos pela Câmara com dinheiro do contribuinte. Ela recebe a benesse por ser filha do ex-deputado federal João Sussumu Hirata e, apesar de não considerar o privilégio justo, alega aceitar o pagamento por orientação de seu advogado.

Segundo ela, a bolada era repassada à mãe até seu falecimento, em 2016. Além da pensão, a filosofa também recebe aposentadoria como pesquisadora. 

“Nunca dependi dessa pensão, pois sempre tive bolsa ou trabalho remunerado e hoje sou aposentada do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica da França).”

O valor da pensão recebido por Helena é quase o triplo do teto da aposentadoria do INSS para 2020, de R$ 6.101,06 por mês. Ela recebe a pensão desde o falecimento do pai, há 46 anos. 

Militante feminista e autora de estudos sobre a remuneração desigual recebida por mulheres, ela reconhece que o benefício expõe a desigualdade dentro do universo feminino no Brasil. 

“As mulheres chefes de famílias, dentre as quais um número significativo de mães solteiras, são hoje mais de 40% no Brasil. Elas não recebem, embora sejam mulheres, solteiras e sem pai ou marido para sustentá-las, auxílio do tipo que a Câmara concede às filhas solteiras de deputados falecidos”, comparou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE