Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Julio Mocellin/AU
Estiagem afeta reservatórios de usinas hidrelétricas no RS
Volume de água caiu a níveis críticos em algumas barragens, mas situação de hidrelétricas no Estado é variada.
GZH
por  GZH
08/01/2020 14:01 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A estiagem que afeta o Rio Grande do Sul tem impactos na lavoura, no abastecimento de água e, agora, também começa a gerar preocupação no setor de energia. Reportagem publicada nesta quarta-feira(8) pela Rádio GaúchaZH, mostra a situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas. 

Na segunda-feira (7), o nível do reservatório da Usina Hidrelétrica Passo Fundo (UHPF), em Entre Rios do Sul, norte do Estado, tinha apenas 28,4% do volume útil de água disponível para geração. A situação já preocupava desde dezembro, quando estava com 30% do volume. Ao longo de 2019, a hidrelétrica manteve apenas 60% da sua capacidade máxima de geração, de 226 megawatts (MW).

Lago da Hidrelétrica de Itá, em Mariano Moro.

Esse volume útil atual de água para geração é inferior ao mínimo histórico registrado em 2012, quando chegou a cerca de 29% da capacidade. A Engie, empresa privada franco-belga que administra a usina, intensificou o monitoramento da instalação para prevenir danos ambientais na região. A preocupação é evitar que as chamadas "lagoas temporárias" fiquem rasas a ponto de a lama de fundo aprisionar peixes ou outros animais.

A escassez de água não afeta apenas o reservatório da usina Passo Fundo, no Estado, mas a situação das demais hidrelétricas é muito variada, conforme o relatório diário da operação datado de segunda-feira (6). Há usinas em situação ainda pior, como Barra Grande (Baesa), que está com 17,9%, mas outras estão quase completas, como Ernestina, com 91,3% do reservatório cheio (veja tabela abaixo). 

Os dados de ontem serão atualizados depois das 15h desta quarta-feira (8). A Monte Claro, que tem apenas 7,5% do volume é uma PCH a fio d'água, ou seja, não se caracteriza por ter grande capacidade de armazenamento.

Como o Estado se caracteriza por ter usinas pequenas e médias, o fato de haver barragens com reservatório baixo ainda não representar risco de abastecimento de energia. Na Região Sudeste, onde ficam as grandes capacidade de geração hidrelétrica, a situação é mais confortável, embora também haja muita variação entre as barragens. 

A situação mais preocupante é a de Furnas, que tem apenas 13,9% de água, mas há várias outras, menores, com volume máximo de água.

Usina

% de água no reservatório

Passo Real

70,2

Jacuí

89,2

Itaúba

76,9

Dona Francisca

30,2

Castro Alves

33

Monte Claro

7,5

14 de Julho

47

Garibaldi

41,9

Campos Novos

37,6

Barra Grande

17,9

Machadinho

19,3

Itá

52,7

Passo Fundo

28,4

Monjolinho

27,3

Foz do Chapecó

31,7

Passo São João

64,7

Ernestina

91,3

Fonte: Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE