Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Juri de Caxias do Sul condena homem a 38 anos de prisão por atear fogo na ex-companheira e em bebê
Crime aconteceu em 2017. A menina tinha apenas oito meses e foi socorrida, mas morreu dois dias depois no hospital.
Assessoria MP
por  Assessoria MP
20/12/2019 10:49 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Nesta quinta-feira, 19, o Tribunal do Júri de Caxias do Sul condenou Maycon Marcelino da Silva a 38 anos de reclusão, inicialmente em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio quadruplamente qualificado. Os crimes foram praticados no dia 04 de novembro de 2017, no bairro Santa Lúcia Cohab, contra Isabela Theodoro Martins, de oito meses, e a tia da criança, Lucilene Fonseca. O promotor de Justiça Gílson Borguedulff Medeiros realizou a acusação.

Relembre o caso

Na data do crime, Maycon invadiu a residência onde as vítimas dormiam, jogou líquido inflamável e ateou fogo nelas. A ação resultou na morte de Isabela dois dias após o crime. A necropsia apontou lesões letais provenientes de queimaduras de terceiro grau no corpo do bebê. Já o delito contra Lucilene não foi consumado, pois a vítima foi socorrida e recebeu atendimento médico.

Ela teve 70% do corpo queimado, permaneceu 101 dias num hospital, foi submetida a dezenas de cirurgias e traz no corpo as marcas da brutalidade.

Porthus Junior / Agencia RBS

Depois de ter atear fogo nas vítimas, ao perceber a presença de vizinhos, o denunciado fugiu do local, mas foi preso em flagrante, algumas horas depois, em um posto de gasolina.

Qualificadores

O homicídio de Isabela foi qualificado pelo emprego de fogo, motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima. A pena base foi fixada em 19 anos de reclusão. O juiz exasperou a pena em 1/3, visto que a vítima possuía apenas oito meses de idade na época do crime, restando ao acusado a pena provisória de 25 anos e quatro meses.

Já a tentativa de homicídio praticado contra Lucilene foi qualificada pelo emprego de fogo, motivo torpe, recurso que dificultou da defesa da vítima e feminicídio. A pena fixada em 12 anos e oito meses de reclusão.

A soma das penas determinou em 38 anos o tempo total de prisão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...